Antes de mais nada, é preciso entender o que é um tsunami e o que o causa.

Um tsunami é uma série de várias ondas com grande volume de água e muito rápidas. Tudo começa com um tremor: um terremoto submarino causa um deslocamento rápido de uma quantidade imensa de água do mar, criando uma onda gigante, a partir do ponto do tremor, que pode passar dos dez metros de altura, sendo que no caso do tsunami que aconteceu em dezembro de 2004, na Indonésia, as ondas chegaram a trinta metros de altura. Além disso, ainda podem alcançar velocidades assustadoramente altas, podendo chegar a mais de 700 km/h em alto mar.

Como normalmente são várias ondas, com horas entre uma e outra, a catástrofe tem duração prolongada, o que aumenta a destruição causada pelo tsunami e dificulta o socorro das primeiras vítimas. Mas o ponto principal é que as ondas são formadas por um volume gigantesco de água e essa água toda tem que vir de algum lugar do mar.

Pense em como funcionam as ondas normalmente. Imagine o movimento do mar em um dia normal na praia, você pode observar que o limite do mar fica indo e vindo: a água sobe pela areia conforme a onda vai chegando no raso e se desfazendo, depois desce de volta, devolvendo a água para o mar, permitindo que outro volume de água se levante e forme uma nova onda.

Então, se a formação de uma nova onda requer um pequeno recuo da água do mar, quando uma onda de um tsunami está prestes a acontecer, é preciso recuar um volume de água grandioso. E tudo isso bem rápido. Por isso você já pode ter ouvido que se o mar recuar é sinal de tsunami e perigo.

Porém, existem outros fenômenos que podem causar o recuo do mar. Por exemplo, nos dias 12 e 13 do mês de agosto deste ano, aconteceu justamente isso no Brasil. Só que neste caso o recuo foi demorado, durando dois dias, enquanto o recuo de um tsunami aconteceria rapidamente e logo as ondas gigantescas seriam vistas avançando em direção ao litoral.

Muita gente chegou a pensar que talvez fosse um tsunami se aproximando, chegaram a existir algumas notícias falsas afirmando que se tratava realmente de um tsunami que atingiria o país e algumas pessoas chegaram a compartilhar a informação falsa, sem perceberem ou sem se lembrarem que o mar recua apenas alguns minutos antes (ou seja, já teria acontecido o tsunami antes que alguém tivesse tempo para escrever a notícia).

Mas se não foi a formação de uma onda que necessita de um grande volume de água para se formar, então qual poderia ter sido a causa desse recuo? Neste caso, o recuo se deu principalmente por causa de ventos, porém outros fatores ajudaram a fazer o recuo ser maior do que o normal.

Por causa dessas notícias falsas espelhando a informação de que o recuo significava um tsunami, várias reportagens se dedicaram a explicar o fenômeno, entrevistando meteorologistas e trazendo informações confiáveis sobre o que realmente estava acontecendo.