Tamer El-Noury – em uma das suas várias falsas identidades – é um agente ativo do FBI que trabalha infiltrado em grupos islâmicos extremistas. Ele ganhou bastante notoriedade dentro da agência de inteligência ao destruir os planos de um grande ataque na cidade de New York quatro anos atrás, ligado à al-Al-Qaeda.

Recentemente Tamer lançou um livro sobre o seu trabalho, dizendo querer que os norte-americanos entendam sua rotina de ação e também como muitas informações sobre os muçulmanos são distorcidas entre o público.

“O fato é que esses jihadistas – os radicais do islamismo – são almas perdidas”, conta o agente em uma entrevista para a rede de notícias britânicas BBC. “Eles são formados pelo ódio e guiados por uma mal que os dão um propósito.” E acrescenta: “Eu sou um Muçulmano e eu sou um Norte-Americano, e eu fico horrorizado com a ação desses animais em relação ao meu país e à minha religião.”

Filho de imigrantes egípcios para os EUA, Tamer se juntou à polícia de New Jersey, onde trabalhou desmantelando redes de distribuição de drogas. Mais tarde, ele foi recrutado pelo FBI, este o qual estava em extrema falta de falantes árabes.

“Tamer El-Noury”, em entrevista para o Sixty Minutes

Em uma das suas mais marcantes operações de infiltração pela agência, Tamer entrou em um grupo envolvido com um plano de matar a maior quantidade de pessoas possíveis através de um descarrilhamento na rota de trilhos New York-Toronto (Canadá), durante a travessia de uma ponte.

Um imigrante tunisiano, Chiheb Esseghaier, era um adas figuras chaves do diabólico plano, e fez seu primeiro contato com Tamer em um encontro arranjado pelo FBI. O agente se apresentou como um rico norte-americano de origem árabe e que possuía um profundo rancor pessoal.

Todas as farsas de personagens encarnados tinham sempre uma grande semelhança com a realidade de Taemer, algo crucial para o sucesso das operações do FBI. Segundo o agente, quando você está viajando o mundo com um indivíduo de ideologia extremista, gastando dias – semanas – junto com essa pessoa, sua verdadeira natureza mais cedo ou mais tarde começa a florescer após o estresse e o desgaste.

Segundo o agente, ficar ao lado de pessoas com mentalidades tão ruins é terrível, especialmente quando você precisa encenar uma forte amizade. A sua estratégia para suportar a situação era sempre tentar se agarrar à parte mais humana dos terroristas, como o amor que eles podiam nutrir pela própria família.

Em uma entrevista para a CBS – no programa Sixty Minutes – Tamer disse que durante uma viagem à New York, Esseghaier começou a planejar um futuro ataque na Times Square, na noite de Ano Novo da cidade. Seria uma ação após o descarrilhamento de trilho. Na mesma viagem, eles visitaram o local onde as Torres Gêmeas tinham sido destruídas em 2001, e foi também quando Esseghairer disse que os EUA precisavam de outro 9/11. Isso fez Tamer sair do sério e quase seu disfarce foi revelado.

Mas, felizmente, nenhum desses terríveis planos vieram a virar realidade. Ambos, Esseghaier e Raed Jaser (um residente canadense de descendência palestina) foram presos em 2013 e sentenciados a uma pena vitalícia em 2015, com base nos dados fornecidos pela investigação de Tamer. A prisão imediata também foi fomentada pelos ataques na Maratona de Boston.

“Esses traidores, esses radicais são aqueles desgraçando minha religião. Eu sou orgulhoso de ser patriota, eu sou orgulhoso de ser um muçulmano norte-americano lutando a guerra contra o terror”, declara o destemido e honroso agente do FBI.

Referências:
1. http://www.bbc.com/news/world-us-canada-41718964
2. https://www.cbsnews.com/news/fbi-undercover-operative-on-how-he-infiltrated-al-qaeda-2/