O Agente Laranja é um herbicida e desfolhante que foi extensamente utilizado pelos norte-americanos durante a Guerra do Vietnã (1961-1971) para clarear as florestas onde os Vietcongs estavam se escondendo. É uma mistura reacional de dois herbicidas (2,4,5-T e 2,4-D) e além de causar graves problemas ambientais é bastante prejudicial à saúde humana, sendo ligado à cânceres e outros tipos de danos ao corpo. Cerca de 4 milhões de pessoas no Vietnã foram expostas na época à toxina e hoje cerca de 1 milhão delas sofrem de graves problemas de saúde.

Agora, pesquisadores, através de um estudo publicado no Science of the Total Environment, sugerem que a exposição ao Agente Laranja usado em largas quantidades no período de guerra está ligado ao aumento dos níveis de certos hormônios nas mulheres e nas suas crianças lactante, potencialmente colocando-os em um alto risco de desenvolver problemas de saúde.

Pesquisas anteriores já mostraram uma ligação entre a exposição a herbicidas que contêm substâncias químicas chamadas dioxinas – como o Agente Laranja – e o câncer de próstata em homens. O novo estudo, feito por pesquisadores da Universidade de Kanasawa, Japão, revelou pela primeira vez o impacto da exposição de dioxinas nas mulheres e bebês.

Certos locais no sul do Vietnã são os mais poluídos no mundo em termos de dioxina, por causa da guerra e do intensivo uso industrial/agrícola. Níveis ali da substância chegam a ser 5 vezes maiores do que em outras regiões.

Dioxinas são substâncias químicas que pertubam o sistema endócrino das pessoas, interferindo em como os hormônios levam mensagens bioquímicas pelo corpo. Esses agentes tóxicos estão implicados em uma gama de enfermidades, como deformações fetais, câncer e transtornos de neurodesenvolvimento. Em particular, as dioxinas possuem um efeito no hormônio chamado dehidroepiandrosterona (DHEA), o qual é responsável pelas características femininas e masculinas nos humanos. Com um desbalanço, surgem problemas sérios de saúde e desfiguramentos.

Décadas de alta exposição às dioxinas no Vietnã levaram a uma alta concentração dessas toxinas no solo e na atmosfera, com as pessoas absorvendo-as através da comida e da respiração.

Analisando 104 mulheres e seus filhos recém nascidos, em uma região vietnamita onde as Forças Americanas armazenaram aproximadamente 50% dos estoques de Agente Laranja e onde houve, no mínimo, quatro vazamentos em 1969-1970, os pesquisadores mostraram que os bebês carregavam níveis de dioxina 3 vezes maiores do que bebês fora das áreas mais contaminadas. Pelo que parece, essas toxinas estão sendo passadas de mãe para filho através do sangue umbilical e do leite materno.

O estudo e seus preocupantes resultados lançam um alerta para o governo do Vietnã. Também abre os olhos de pessoas ao redor do mundo vivendo próximas de áreas industrias ou de práticas agrícolas onde as dioxinas podem estar sendo usadas em excesso.

Publicação do estudo: ScienceDirect